Serviço de Verificação de Óbitos

Apresentação

 

O Serviço de Verificação de Óbito é um Núcleo de Serviços – Necropsias e Biópsias, ligado à Gerência Estratégica de Vigilância em Saúde (GEVS) da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) do Espírito Santo.

Anualmente, o Serviço de Verificação de Óbito realiza cerca de 3.700 autópsias.

As doenças cardiovasculares, em especial a hipertensão arterial, são a principal causa de óbito entre os capixabas que sofrem morte natural. A informação é do Serviço de Verificação de Óbito (SVO), , responsável por determinar o que provocou o óbito em casos de morte natural de causa desconhecida.

 

Biópsias

Outra atribuição do SVO é a realização de biópsias para diagnóstico de enfermidades que acometem a população capixaba. Por ano, são realizadas cerca de 7 mil biópsias e 1.300 exames citopatológicos (neste caso, exame preventivo de câncer de colo de útero), atendendo prioritariamente ao Hospital Estadual Antônio Bezerra de Faria, Hospital Estadual São Lucas, Hospital Estadual Roberto Arnizaut Silvares, Hospital Estadual Infantil e Maternidade de Vila Velha e o Centro Regional de Especialidades (CRE) de Colatina e de São Mateus.

Para isso, o SVO possui um laboratório de anatomia patológica, onde realiza biópsia em órgãos inteiros e parte de órgãos retirados em procedimentos cirúrgicos para diagnosticar diferentes tipos de doença, entre eles câncer, doenças inflamatórias e doenças de pele. O Serviço possui 15 médicos patologistas, sendo que três deles trabalham exclusivamente com análise de biópsias.

 

Causa externa

Nem todas as mortes naturais por causas indeterminadas, no entanto, são analisadas pelo Serviço de Verificação de Óbito. Se a pessoa era acompanhada por um médico e já possuía diagnóstico bem definido de alguma doença, em caso de morte, o próprio médico que a atendia pode emitir a declaração de óbito, não necessitando do envio do corpo para investigação.

Se a circunstância do óbito for natural, mas a causa for indeterminada, a pessoa pode ter morrido em casa, num hospital ou em via pública que o corpo certamente será encaminhado para o SVO. Dessa forma, o Serviço de Verificação de Óbito desenvolve um trabalho diferente do que é feito pelo Departamento Médico Legal (DML), da Secretaria de Segurança Pública, que investiga mortes por causas externas, como quedas,homicídios e outras situações de morte violenta ou acidental.

 

Interações

Vigilância Epidemiológica Estadual e Municipais- Definir melhores políticas de saúde, implantar medidas oportunas de vigilância às doenças, promover diagnósticos e acompanhamento de surtos ou casos isolados de doenças. . Nesse escopo, foram elaboradas 74 investigações para esclarecimento da causa mortis em todo o ano de 2014 e 48 casos passíveis de investigação de janeiro-junho de 2015.

 

Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) – na melhoria das informações e esclarecimentos diagnósticos, completa o SIM do SUS

 

Departamento Médico Legal (DML), da Secretaria de Segurança Pública, que investiga mortes por causas externas, como quedas, homicídios e outras situações de morte violenta ou acidental

 

Central de Notificação Captação e Distribuição de Órgãos (CNCDO) - para notificação de óbitos com possibilidade de captação de córneas, tecido que continua bom para transplante mesmo algumas horas após a morte.

 

Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS) – Respostas de investigação de óbitos especialmente os febrís-hemorrágicos.

O que fazemos - Função do SVO

 

  1. A missão do SVO é realizar procedimentos de Autopsia para esclarecimento de óbitos de causa natural não elucidada, em caso de óbito sem assistência médica ou com assistência médica onde a causa morte não foi definida ou é mal definida. Foram realizadas, em 2014, 3.121 necropsias.

 

  1. Casos em investigação pela vigilância epidemiológica, aonde não se chegou à conclusão diagnóstica. Nesse escopo, foram elaboradas 74 investigações para esclarecimento da causa mortis em todo o ano de 2014 e 48 de janeiro-junho de 2015.

 

  1. Análise histopatológia de biópsias e peças cirúrgicas de tecidos humanos e análises de amostras citopatológicas de punções aspirativas, líquidos e secreções.

Por ano, são realizadas cerca de 7 mil biópsias atendendo prioritariamente ao Hospitais da rede estadual e os Centros Regionais de Especialidades

 

  1. Análises de amostras citopatológicas de colo uterino (colpocitológico)

São realizadas anualmente, cerca de 1.300 exames citopatológicos (neste caso, exame preventivo de câncer de colo de útero), atendendo prioritariamente ao Hospital da Polícia Militar.


Equipe de Trabalho do NESVOB Download

 

Chefia

Sony de Freitas Itho


 

Interfaces

 

  1. Vigilância Epidemiológica Estadual e Municipais- Conhecendo as causas de morte, podemos definir melhores políticas de saúde, implantar medidas oportunas de vigilância às doenças, promover diagnósticos e acompanhamento de surtos ou casos isolados de doenças, além de melhorar o sistema de informação de mortalidade do SUS.

Nesse escopo, foram elaboradas 74 investigações para esclarecimento da causa mortis em todo o ano de 2014 e 48 casos passíveis de investigação de janeiro-junho de 2015.

 

  1. Departamento Médico Legal (DML), da Secretaria de Segurança Pública, que investiga mortes por causas externas, como quedas, homicídios e outras situações de morte violenta ou acidental

 

  1. Central de Notificação Captação e Distribuição de Órgãos (CNCDO) - para notificação de óbitos com possibilidade de captação de córneas, tecido que continua bom para transplante mesmo algumas horas após a morte.

 

  1. Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS) – Respostas de investigação de óbitos especialmente os febrís-hemorrágicos.

 

  

 

Procedimento e finalidade de necropsia

 

É um procedimento realizado por médicos patologistas ou médico legista, na maioria das vezes, com auxílio de um técnico de necropsia, em cadáveres (após devidamente autorizados pelo parente), que foram encaminhados ao SVO para finalidade de elucidação da causa do óbito.

A necropsia consiste do exame externo e interno do corpo anotações e observações sobre quaisquer aspectos que possam ser encontrados fora do habitual. Mas na maioria das vezes, não coletados material de biópsia para análise microscópica posterior quando houver necessidade ou sangue ou líquor de meninges (Liquor céfalo-raquidiano-LCR) para exames laboratoriais tipo cultura, bacterioscopia e, pesquisa de agentes específicos.

Apenas após a avaliação macroscópicas de necropsia é possível o preenchimento da Declaração de Óbito pelo médico patologista.

Muitas vezes o diagnóstico da causa do óbito é completamente elucidado durante o procedimento de necropsia, porém o esclarecimento definitivo da causa mortis em muitas causas requer o estudo microscópico subseqüente do material coletado no momento da necropsia.

A confecção de lâminas e elaboração do laudo final pode levar até 40 dias.

 

Encaminhamento dos casos

 

Casos que devem ser encaminhados ao SVO

-Estrangeiros residentes no Brasil que serão sepultados aqui.

-Morte súbita em adulto jovens.

-Óbitos domiciliares sem assistência médica e não suspeitos de causa externa.

-Óbitos em PA sem causa mortis conhecida.

-Casos notificados ao/ou em estudo pela vigilância epidemiológica.

 

Casos que devem ser encaminhados ao IML

-Estrangeiros residentes no país que serão sepultados em outro país.

-Resultados desfavoráveis de cirurgias, se a família estiver questionando erro médico (suspeita ou confirmação de erro médico).

-Aspiração de vômitos e corpos estranhos em pessoas .......

-Choque anafilático/intoxicação-exógena (coma alcoólico, drogas, medicamentos, veneno, picada de animais, descarga elétrica).

-Morte súbita em adultos jovens com história de uso de drogas.

-Queda da própria altura (com fratura).

Presidiários, fugitivos da polícia.

-Morte súbita em bebes que dormiam na mesma cama com adultos.

-Confirmados ou suspeitos de morte por causas externas, verificar antes ou no decorrer da necropsia.

-Em estado avançado de decomposição.

-De morte natural ou identidade desconhecida.

 

Onde estamos:

Endereço - Av. Jouberte de Barros, n° 55

Bairro Bento Ferreira, Vitória/ES.

CEP: 29050-720

Telefone – 3227-7057, 3382-5993 e 3636-6590

E-mail: svo@saude.es.gov.br

 

Referências:

- Anexo ao Hospital da Polícia Militar e à entrada do Hospital São Lucas (antigo)

- Próximo à Rede Gazeta

- Na rua lateral do Sam’s Club

 

 

História do SVO - ES

 

Em 1999, a SESA do ES demonstrou interesse em criar um SVO. Houve reunião da comissão com o Secretário de Saúde à época, Dr Nilton Baiano e com os médicos patologistas, Allan Kardec de Castro e Jane Sant´ana Castelo. Esta última apresentou um projeto com as mínimas condições, corpo médico, material de consumo, material permanente e área física necessários para criação do serviço.

Um membro da comissão, Dra Teresa Cristina Cardoso, se empenhou em providenciar a compra dos materiais. Em seguida, procurou-se a área física para a instalação do SVO.

O Hospital da Polícia Militar dispunha de um setor vazio e após um acordo entre a diretoria deste e a SESA, houve cessão de um espaço. Foi iniciado um projeto de adequação desta área para preparar o serviço, que ainda improvisado, poderia funcionar em Setembro de 2002.

Em Outubro de 2002, houve um movimento de paralisação dos médicos legistas com suspensão de todos os serviços prestados pelo Departamento de Medicina Legal. Assim, surgiu a necessidade urgente de um serviço que o substituísse, na realização de 40 exames cadavéricos. Foram contratados, emergencialmente como peritos adoc, os patologistas Jane Sant´ana Castello, Allan Kardec de Castro Filho, Cassio Monteiro de Castro, Rogério Piontkovisk, Robledo Fonseca Rocha. Alguns médicos e alguns técnicos militares entraram na sala de autópsia, prestando auxílio.

Era de extrema importância a participação de técnicos de autopsia. Dra. Jane Castello recrutou os técnicos do Hospital Infantil Nossa Senhora da Glória-Vitória (HINSG): Alessandro, Paulo, Petronio e Ricardo que, mesmo sem contrato emergencial, atenderam ao chamado. Trabalharam com afinco e, em cerca de sete dias, os 40 corpos estavam examinados.

Em dezembro de 2002, os contratos emergenciais foram suspensos. Em fevereiro de 2003, o SVO volta a funcionar, pois, o corpo médico e técnico foi contratado. Definitivamente estava implantado o SVO.

História contada por Dra Jane Sant´ana Castello e documentada gentilmente por Rosane Ottoni Passos em julho/2015

 

O Serviço de Verificação de Óbitos da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) passou por reforma em maio de 2012 firmada parceria com a Secretaria de estado de Segurança Pública e Defesa Social (Sesp), para promover adequações do espaço físico da Unidade,melhorando o atendimento à popula-ção e favorecendo os profissionais que atuam no serviço.

2015 / Desenvolvido pelo PRODEST utilizando o software livre Orchard